NOTÍCIAS

Cervejas artesanais agitam São Paulo no Mondial de La Bière

23/05/2018 Fonte: Infood

Clique aqui para ler a matéria direto da fonte.

No fim de semana passado, aconteceu pela primeira vez o Mondial de la Bière em São Paulo. Um evento que foi rodeado de muita expectativa, tanto do público quanto das cervejarias, e porque não dizer de mim, uma vez que este colunista foi em todas as edições do evento no Rio de Janeiro. A edição carioca do evento já está consolidada e o público invade desde o primeiro dia os pavilhões ávidos por novidades.

O evento de São Paulo ocorreu de forma diferente. O paulista foi interessado em conhecer o mercado, as possibilidades…e em fazer negócios. As cervejarias artesanais nem sempre possuem verba para investir pesado no marketing. Sendo assim, vêem a possibilidade em um evento desta magnitude, de se aproximarem de forma natural do seu público alvo. Uma vez que não há nada melhor do que mostrar seus bens mais preciosos, que são suas cervejas, e a comunicação visual que está por trás delas, com seus rótulos, suas garrafas ou suas latas.

Crescimento do mercado

O mercado de cerveja artesanal cresce ano a ano. Contudo, o público não aumenta na mesma velocidade. Atualmente estão registradas 610 cervejarias no Brasil, e este número pode estar crescendo no momento que escrevo. Em 2017 foram registradas 91 novas cervejarias. Na sua maioria, estas cervejarias estão na região Sul – Sudeste. São Paulo ainda é o estado com maior número – atualmente 122 cervejarias compõem o mercado. Destas 122, algumas se fizeram presentes neste fim de semana.

A abertura foi marcada pela presença de Jeannine Marois, presidente do Mondial de la Bière e responsável pela organização internacional, e Luana Cloper, gerente de negócios da Fagga | GL events Exhibitions,

Degustando no evento

Quando me perguntam o que degustar em um evento, sempre falo duas coisas: provem as cervejas de fora, pois com certeza trouxeram pouca quantidade de cada rótulo devido à distância, e também bebam as cervejas locais, pois estas estarão muito frescas. Sendo assim, vou dividir o meu ponto de vista do Mondial de La Bière em dois textos. Neste falarei das cervejas paulistas e no próximo vou abordar as cervejas que vieram de outros estados.

Cervejas Paulistas

Hoje vou falar das cervejas paulistas. Eu, como carioca, estava ávido para conhecer o mercado de São Paulo mais a fundo. Ele é muito grande e já possui cervejarias consolidadas, como é o caso das cervejarias Dogma e Dádiva, entre outras. Contudo, queria conhecer mais. E o que me chamou muita atenção, logo assim que entrei, foi um espaço compartilhado por várias cervejarias de São Paulo, que foi fechado pela união das cervejarias, em uma confraria, a Confrabeer – SP, que hoje possui algo em torno em de 30 integrantes e atua de forma a diminuir custos em determinados pontos, como na entrada de eventos ou na compra de barris.

Espaço Confrabeer

Neste espaço, estavam duas cervejarias que conquistaram duas medalhas de ouro do evento. As Cervejarias Satélite e Doktor Bräu. No total, o espaço da Confrabeer reuniu algo em torno de 16 cervejarias.

Degustei muita coisa boa, de muitas cervejarias ciganas, ou seja, que ainda não possuem sua própria fábrica. Gostei muito da Cervejaria Caravan que, segundo Jaimes Almeida Neto, retira sua inspiração no jazz, que é um estilo técnico e complexo de se executar, mas ao mesmo tempo super simples e fácil de se apreciar. E ele tenta levar isso à sua cerveja, oferecendo alta bebilidade. A Caravan se inspira claramente na escola americana, onde o lúpulo é a estrela, apresentando uma tropicalidade devido aos utilizados.

Também degustei as marcas da Cervejaria Mafiosa, que se localiza em Valinhos – interior do estado, e que vem se destacando no mercado como uma cerveja ganhadora de prêmios. Sua identidade visual se baseia na máfia americana da época da lei seca e, para quem como eu gosta de cervejas mais fortes. recomendo conhecer a Consiglieri Double IPA.

Outra cigana muito interessante é a cervejaria Avós, em homenagem às avós dos cervejeiros. Uma cervejaria que aposta nas lagers, ou seja, cervejas de baixa fermentação, onde o destaque é a refrescância. Achei interessante para começar os trabalhos a Vó Maria Zen Hoppy larger.

Não poderia deixar de falar e recomendar a Cervejaria Satélite que, bem como as outras cervejarias mencionadas acima, é uma cervejaria cigana e ganhadora de duas medalhas de ouro. Ou seja, não precisa ser grande para ter um produto excelente. Basta ter paixão e desejo de criar algo fantástico! Adorei a cerveja Psicose Espacial New England IPA com Graviola – uma cerveja que, como os satélites, vão te deixar fora de órbita!

Das paulistas participantes da ConfrabeerSP com fábrica, gostaria de destacar também um importante trabalho, pois todas fábricas deixam um espaço em torno de 30% da sua planta para a produção de cervejas ciganas.

Das cervejarias com plantas, curti muito a cervejaria Bragantina que, como dá a entender pelo nome, se localiza na cidade de Bragança Paulista. Com capacidade de 20.000 litros /mês, tendo nove rótulos de linha, e a que mais me chamou a atenção foi a Paode Mul Chocolatti Porter, pois nem só de lúpulo vive um homem.

Outra cervejaria de planta muito legal de conhecer é a Los Compadres. A cervejaria se localiza em Atibaia e foi inaugurada há sete meses com capacidade para 12.000 litros/mês. Neste período já passaram pela fábrica algo em torno de 20 ciganas. Segundo a sócia, Camille Paraguassu, recomendo muito provar a Berliner Amora.

Um tour deste porte não poderia terminar sem a Doktor Brau, também ganhadora de duas medalhas de ouro no festival. Sua fábrica foi inaugurada no fim do ano passado em Minas Gerais, na cidade de Pouso Alegre, com capacidade para 16.000 litros/mês, onde também se localiza o bar da cervejaria.

Balanço final

Resumindo o evento, foi muito proveitoso para degustar coisas novas, conhecer projetos apaixonantes e, acima de tudo, ver o mercado cervejeiro crescendo. Como disse, há no estado de São Paulo hoje mais de 100 cervejarias e espero ver na segunda edição 80% delas presentes.

Para o consumidor paulista, falo: o evento acabou, mas as cervejas estão presentes em bares, empórios e outros eventos locais. E aos consumidores dos outros estados, os bares podem disponibilizá-las a vocês.

Saúde, Cheers , Prost !!! Brinde da Coluna

Estou bebendo uma das cervejas medalha de ouro no evento, da Doktor Bräu. Esta cerveja foi feita de forma colaborativa com outra cervejaria medalha de ouro, a Cervejaria Satélite.

Cerveja: Psicose Espacial

Cervejaria: Doktor Brau – SP

Estilo: New England IPA com Graviola

Volume: 473 ml

Graduação Alcoólica: 6,5%

Realmente uma excelente cerveja, uma cerveja de cor amarela, turva, ou seja, sem filtração e ótima formação de espuma. Muito aromática, o frutado explode ao nariz, notas claras da graviola e cítrico do lúpulo. Na boca um amargor médio a alto, prolongado e uma acidez evidente devido à graviola. Corpo leve e refrescante. Harmoniza perfeitamente com queijos azuis e um peixe assado na brasa com molho de alcaparra e ervas. Texto: José Honorato

Leia também

USE AS TAGS #MONDIALDELABIÈRESP E #MONDIALDELABIÈRESPEUVOU E COMPARTILHE SEU AMOR POR CERVEJAS ARTESANAIS.

Informaçõe:
+55 11 4949-2032
Endereço:
Rodovia dos Imigrantes, Km 1,5
Água Funda - São Paulo – SP

FAGGA EVENTOS – CNPJ 05.494.572/0001-98